sábado, 24 de setembro de 2011

A massacrante felicidade dos outros...


Tenho conversado com amigas e também lendo livros e textos que refletem nossa vida hoje, depois de anos de experiências, o que aproveitamos disto ou daquilo. Vendo as outras pessoa agindo, buscando algo pensamos que nós estamos muito paradas, poderíamos fazer muitas coisas e outras nos impedem disto.

O crescimento e a esperiência, mais a espiritualidade têm mostrado que quando nós temos perguntas e respostas é porque chegamos num momento de gradeza e as reflexões nos trazem estas respostas buscadas, às vezes duras ou as vezes esclarecedoras. 

Assim nossas vidas tomam mais sentido. Isto é bom. Estamos todas tentando alguma coisa, ser feliz tanto na profissão ou na família e também na sociedade.

Lendo muitas coisas que me chegam me deparei com este texto da Martha Medeiro e aqui deixo para voces refletirem também.

A felicidade pode estar à nossa volta e as respostas que estamos procurando são muito mais simples do que parecem. E estamos perto de nos conscientizar que tudo continua fazendo parte do nosso próprio 'eu'.
Será que compliquei muito? Espero que leiam e tenham respostas. 
Se quizerem comentar, vou gostar de saber o que pensam.
 

A massacrante felicidade dos outros...

                                             (Martha Medeiros, gaúcha, 44 anos, Jornalista e Poeta).

Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma. Estamos todos no mesmo barco. Há no ar um certo queixume sem razões muito claras.

Converso com mulheres que estão entre os 40 e 50 anos, todas com profissão, marido, filhos, saúde, e ainda assim elas trazem dentro delas um não-sei-o-quê perturbador, algo que as incomoda, mesmo estando tudo bem. De onde vem isso?

Anos atrás, a cantora Marina Lima compôs com o seu irmão, o poeta Antonio Cícero, uma música que dizia: 'Eu espero/ acontecimentos/ só que quando anoitece/ é festa no outro apartamento' .

Passei minha adolescência com esta sensação: a de que algo muito animado estava acontecendo em algum lugar para o qual eu não tinha convite. É uma das características da juventude: considerar-se deslocado e impedido de ser feliz como os outros são, ou aparentam ser. Só que chega uma hora em que é preciso deixar de ficar tão ligada na grama do vizinho.

As festas em outros apartamentos são fruto da nossa imaginação, que é infectada por falsos holofotes, falsos sorrisos e falsas notícias. Os notáveis alardeiam muito suas vitórias, mas falam pouco das suas angústias, revelam pouco suas aflições, não dão bandeira das suas fraquezas, então fica parecendo que todos estão comemorando grandes paixões e fortunas, quando na verdade a festa lá fora não está tão animada assim.

Ao amadurecer, descobrimos que estamos todos no mesmo barco, com motivos pra dançar uma valsa pela sala e também motivos pra se refugiar no escuro, alternadamente. Só que os motivos pra se refugiar no escuro raramente são divulgados pra consumo externo.

Todos são belos, sexys, lúcidos, íntegros, abastados, sedutores, social e filosoficamente corretos. Parece que ninguém, nenhum deles, nunca levou porrada. Parece que todos têm sido campeões em tudo'. Fernando Pessoa também já se sentiu abafado pela perfeição alheia, e olha que na época em que ele escreveu estes versos não havia esta overdose de revistas que há hoje, vendendo um mundo de faz-de-conta.

Nesta era de exaltação de celebridades - reais e inventadas - fica difícil mesmo achar que a vida da gente tem graça. Mas tem. Paz interior, amigos leais, nossas músicas, livros, fantasias, desilusões e recomeços, tudo isso vale ser incluído na nossa biografia. Ou será que é tão divertido passar dois dias na Ilha de Caras fotografando junto a todos os produtos dos patrocinadores? 

Compensa passar a vida comendo alface para ter o corpo que a profissão de modelo exige? Será tão gratificante ter um paparazzo na sua cola cada vez que você sai de casa? Será bom só sair de casa com alguém todo tempo na sua cola a título de segurança? Estarão mesmo todas essas pessoas realizando um milhão de coisas interessantes enquanto só você está em casa, lendo, desenhando, ouvindo música, vendo seu time jogar, escrevendo, tomando seu uisquinho?

Tenha certeza que as melhores festas acontecem sempre dentro do nosso próprio apartamento.

Então, o que acharam?

Um grande abraço para todas.

                                      Dete Miranda 





13 comentários:

  1. Dete, gostei muuuito do seu texto. Realmente, parece que a festa só rola no apartamento alheio, mas nós não sabemos realmente as misérias e aflições que se passam com os outros, principalmente quando encobertos por sorrisos, status, aparências...
    Vou mais perto: quantas vezes, vejo pessoas com faculdade, posição, que são racistas, homofóficas, odeiam animais, não exitam em matar e tripudiar sobre os outros para conseguir o que desejam?

    ResponderExcluir
  2. Conheço uma moça que tem duas faculdades, mas tem "medo" de anão, de índio... A gente acaba se pondo pra baixo, se achando menor, quando, na verdade, somos em nós mesmos, um universo com nossas próprias experiências, idéias, beleza. O que a sociedade impõe não reflete a experiência que vivenciamos todos os dias em nossas vidas... somos quem somos, viajores da eternidade.
    Pode escrever outros textos assim que estarei por aqui, embora, não apenas por eles, mas porque curto muito seu espaço =D
    Bjs!!!
    Esmaltes, Make-Up & Cia.
    rockuroutfit.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pelo recado de feliz aniversário lá no blog!

    Beijos!
    http://viivabeleza.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. flor parabéns seu texto é lindo lindo amei beijos


    http://rosanadicasfemininas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Primeiramente muito obrigada pela mensagem no blog! Adorei =)

    Quanto à essa passagem, pensei que eu iria me encaixar porque estou passando por um momento muito difícil e é inevitável pensar que tudo poderia ser diferente e melhor... mas se o problema fosse só esse de pensar no que acontece fora das nossas casas seria ótimo... o duro é quanto se tem problema de saúde na família e que vc acha que é a única que está ligando e ajudando a melhorar alguma coisa, e aí quando vc vê, vc está acabando consigo mesma tentando fazer o melhor pros outros....

    desculpe, foi mais um momento de desabafo pois as vezes é preciso né? ^^

    Adorei aqui, estou seguindo
    beijos

    http://girlstryout.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. olá
    vim agradecer a visita e o carinho
    ;D

    bjim
    www.esmaltechic.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. A-MEI!
    O ser humano é inquieto, é inevitável essa busca. Almejar o 'melhor' é válido, o que é injustificável é passar por cima de outros para se conseguir o que quer, cobiçar e emitir negatividade, inveja, essas coisas.
    Muito bom, valeu Dete, bjs

    ResponderExcluir
  8. concordo com tudo no texto e me identifico super com ele ;s

    http://help-adolecentro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi Dete, obrigada por me seguir! Ja estou te seguindo tbm!
    Adorei este texto e achei super pertinente todas as palavras da autora!!

    Besos de Buenos Aires
    Dani Regis

    ResponderExcluir
  10. Nossa amei seu blog amor!! Visita o meu? World Girl e se gostar deixa comentário sobre o post, e segue eu retribuo tudinho lindona! ah mais não esquece de avisar se seguir rsrs, um beijão... fica com Deus. http://ianapaulinhaaaa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Que máximo este texto!!!
    Bjs, Tatty

    http://www.suspirofashion.com/

    ResponderExcluir
  12. flor passando pra te deseja um lindo dia beijos



    http://rosanadicasfemininas.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Agradeço pela visita e pelo comentário.

Beijos,

Dete Miranda